quarta-feira, 11 de março de 2020

Vitamina D e coronavírus (COVID-19)

Desde tempos remotos, aproveitadores usam o medo e o pânico para tirarem vantagem. Surtos e epidemias, como a do coronavírus (COVID-19), são um prato cheio para charlatões. Em meio à desinformação, maus profissionais oferecem tratamentos sem evidência de eficácia, fúteis e até mesmo deletérios, com a única pretensão de lucrar.


É verdade que existem evidências experimentais de que a vitamina D possa ter efeito modulatório sobre o sistema imunológico. Células de defesa, como macrófagos e linfócitos, expressam receptores para vitamina D. Além disso, existe a hipótese de que a diminuição nos níveis de vitamina D, que acontece nos meses de inverno, poderia explicar o aumento no número de infecções respiratórias virais. Porém, defender o uso de vitamina D como estratégia de prevenção ao coronavírus ainda é um grande equívoco! Explico...
Em 2017, o British Medical Journal publicou uma revisão de 25 estudos sobre o uso do vitamina D como estratégia de prevenção de doenças respiratórias agudas. No total, foram avaliados mais de 10.000 pacientes. O uso de vitamina D reduziu em 1,9% a incidência de infecções, especialmente naqueles com níveis basais abaixo de 10 ng/mL. No entanto, o uso da vitamina D não foi capaz de reduzir eventos adversos graves como pneumonias, necessidade de hospitalização ou morte. Esse estudo é frequentemente citado pelos enganadores, que o interpretam de forma equivocada ou tendenciosa. Vamos por partes...
O uso da vitamina D não foi 100% eficaz. Aliás, ficou bem longe disso! Para cada 52 pacientes que fizeram uso do tratamento, apenas 1 se beneficiou. E esse benefício se restringiu a sintomas leves como coriza, tosse e febre. Outro detalhe: o uso de doses de ataque ou megadoses, frequentemente oferecidas pelos picaretas, não foi tão eficaz quanto a suplementação diária em doses habituais.
Vale ressaltar que o uso da vitamina D ainda não foi estudado no contexto da epidemia do coronavírus. Logo, os resultados do estudo acima não podem ser extrapolados para essa condição específica. Não podemos afirmar que a vitamina D possa ajudar, ou mesmo que possa fazer mal neste contexto. Por isso, seu uso não é recomendado.
Pesquisadores sérios estão testando antivirais e vacinas contra o COVID-19 neste momento. Até que tenhamos os resultados destes estudos, as melhores estratégias de prevenção são evitar o contato com pessoas doentes, lavar as mãos e manter medidas de higiene respiratória (como cobrir a boca ao tossir). Vitamina D ainda não é (e talvez nunca seja) uma opção para o tratamento do COVID-19!

Referências:
1- World Health Organization. Director-General's remarks at the media briefing on 2019-nCoV on 11 February 2020. https://www.who.int/dg/speeches/detail/who-director-general-s-remarks-at-the-media-briefing-on-2019-ncov-on-11-february-2020 (Accessed on February 12, 2020).
2- Martineau AR, Jolliffe DA, Hooper RL, et al. Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory tract infections: systematic review and meta-analysis of individual participant data. BMJ 2017; 356:i6583.
3- Martineau AR, Jolliffe DA, Greenberg L, et al. Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory infections: individual participant data meta-analysis. Health Technol Assess 2019; 23:1.

Dr. Mateus Dornelles Severo
Médico Endocrinologista
Doutor e Mestre em Endocrinologia pela UFRGS
CRM-RS 30.576 - RQE 22.991

5 comentários:

  1. Acredito que não evita e nem trata infecções respiratórias, porém fortalece o sistema de defesa para o combate de qualquer infecção...Minha filha recentemente foi curada de infecções recorrentes de gripes amigdalites e outras ites, após diagnóstico de deficiência desta vitamina, pelo seu médico que passou a fazer suplementação semanal para ela com Vit D3 7000UI

    ResponderExcluir
  2. Esse cidadão nem sabe que a vitamina D não é na realidade uma vitamina e sim um hormônio, o como tal tem suas funções específica em toda a máquina humana, o que existe sim é o lado comercial q explora e estimula seu uso indiscriminadamente ! Um bom profissional irá recomendar a dose certa, com resultado surpreendente

    ResponderExcluir
  3. Dr., com todo o respeito, se o senhor acha que vitamina D (na vdd um hormônio fundamental utilizado por todas as células do organismo) não tem qualquer influência sobre infecções do trato respiratório, peço por favor que leia os estudos abaixo (e tantos outros disponíveis) que mostram justamente o contrário:

    High dose vitamin D administration in ventilated intensive care unit patients: A pilot double blind randomized controlled trial: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2214623716300084?fbclid=IwAR1FPn1w7BIXJr6WFNRlo-35CpJBnLu_IMgOYVKizoqwBh5Ms3QcTow_fO0

    Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory tract infections: systematic review and meta-analysis of individual participant data: https://www.bmj.com/content/356/bmj.i6583

    Conheço várias pessoas que sofriam de asma crônica e deixaram de usar corticóides e bombinhas apenas tomando doses FISIOLÓGICAS realistas de vitamina D.

    Abs.

    ResponderExcluir
  4. Até a forma deste médico abordar é ridicula! Como se 3 artigos se configurasse um consenso! É melhor aguadar mais estudos antes de falar que é picaretagem! Nunca lí uma colocação tão pífia!

    ResponderExcluir
  5. O Dr. tem sérias dificuldades em interpretar. Segue a conclusão do estudo que ele cita "A suplementação de vitamina D foi segura e protegida contra a infecção aguda do trato respiratório em geral. Pacientes que eram muito deficientes em vitamina D e aqueles que não receberam doses em bolus tiveram o maior benefício."

    Segue o referido estudo pra quem quiser de fato se informar e não cair nessa avaliação no mínimo leviana e com elevado comprometimento de iinterpretação, basta acessar
    https://doi.org/10.1136/bmj.i6583

    ResponderExcluir

Testosterona em mulheres: dosar ou não dosar?

A dosagem e reposição de testosterona nas mulheres é um tema bastante atual e um dos motivos que as fazem procurar atendimento médico. Embo...